Instagram

domingo, 29 de março de 2015

Kyuubi

Hoje teve RPG e estamos indo para o final de mais uma crônica. Então eu resolvi trazer um desenho da minha personagem que já está ativa a muito tempo... Ele está no meu sketchbook antigo mas quem fez foi a Ariana, porém ele foi uma das minhas primeiras pinturas a lápis, nem lembro mais a data e não estou com vontade de procurar ele agora. Desculpem...
Com vocês minha gueixa vampira, Sayo Tora usando uma fantasia de raposa de nove caudas.
AC


terça-feira, 24 de março de 2015

Crist

Hoje vamos falar de RPG, de Vampiro: A Máscara mais diretamente.
Pra começo de conversa esse termo é uma sigla para "Role Playing Game", que é um jogo normalmente descrito como "jogo de interpretação de papéis" onde um dos jogadores assume o papel do Mestre e narra uma história onde os outros jogadores deve tomar decisões. Tudo isso tem o apoio de livros com regras e dicas de jogo, fichas com informações e habilidades dos  personagens criados e dados para decidir se as ações foram bem sucedidas ou não. Agora, Vampiro: A Máscara é um universo criado por Mark Rein-Hagen pela editora White Wolf nos idos de 1991 e que ficou muito famoso no Brasil. Mesmo tendo a linha descontinuada em 2004 e sendo "refeito" sob o nome de "Vampiro: O Réquiem" o velho A Máscara continua sendo jogado até hoje.
Neste mundo existem vários "tipos" de vampiro com características próprias e uma linha de outras criaturas sobrenaturais envolvidas (e cada uma delas tem um livro específico para se jogar). Se quiserem saber um pouco mais aqui pode ter algo, sugiro ler na parte de clãs sobre Nosferatu e Toreador para entender mais um pouco do texto que estou trazendo, mas não se assuste, não é necessário. E sim, um bom jogador de RPG lê muito...
Já fazia um tempo que eu queria postar sobre alguma das minhas personagens desse universo aqui e hoje resolvi seguir o tema do blog do Ton, bom o texto que vem logo abaixo é o prelúdio dessa simpatia que eu criei dentro do clã dos nosferatus e a segunda parte foi escrita por ele. Vai dar pra sentir um pouquinho da diferença de nível! Espero que vocês gostem da Crist tanto quanto eu.
AC

Cristina Gomes

Essa adorável Nosferatu tem por hobby escrever sobre a vida alheia. Seus companheiros são sua inspiração, segundo ela “todos os membros são uma fonte de histórias inesgotáveis, é só sentar e apreciar”. Cristina escreve seus romances sob vários pseudônimos, sendo o atual Claire del’Spinoza. O anterior, Sr. Bonhantel, só escreveu um livro, que foi lançado postumamente virando um best-seller.
Crist, como gosta de ser chamada, sempre manteve do seu lado um editor como lacaio, nos últimos anos Nathália a auxilia e representa seus textos para os chefões, afinal, Claire é um tanto excêntrica e não aparece em público, o máximo que ela faz é falar ao telefone. A mídia tem especulado que Claire é na verdade uma criança ou adolescente, um gênio irreverente que tem medo da reação de seus próximos, afinal seus livros são recheados de intriga, traição, tortura, sedução, assassinatos e sexo, que os torna tema de grandes polêmicas.
Sobre a própria Cristina, ela foi transformada há muitos anos e não costuma falar sobre como era sua vida, mas se sabe que ela foi um daqueles clássicos clichês, que trocou tudo o que tinha pela eternidade para dedicar-se aos seus textos. Ela possuía o perfil perfeito para um Toreador, mas quem cruzou seu caminho foi Nosferatu.
-----
A verdade: Cristina não é Cristina. Nunca existiu Cristina, é apenas mais uma de suas personas, inventada para que aqueles que queiram descobrir seu passado nunca o descubram. A história de que ela foi encontrada, afortunada e em vias de publicar seus primeiros livros foi espalhada por ela mesma, através de contatos e lacaios. Sua verdadeira natureza, no entanto, é muito mais simples e, contraditoriamente, complexa.
Seu nome continua um mistério, mas sua família servia a um Toreador, e ela, adolescente, sabia que futuramente se tornaria uma lacaia também, tão logo tivesse qualidades para tanto. O que não se esperava é que, ainda como uma serviçal, ela se tornasse responsável por cuidar da manutenção da biblioteca de seu senhor, e portanto tivesse acesso aos inúmeros livros dele e, sem o conhecimento de ninguém, também à gaveta secreta em que escondia seus manuscritos. Tal tesouro, ainda que inútil para ela, despertou seu interesse. Não entendia porque haviam sido descartados e pensava que seu senhor, um vampiro tão classudo, era na verdade um gênio subestimado. E então conheceu Nestor.
Vestido de cinza da cabeça aos pés, o negro de olhos tão azuis que pareceriam brancos, dentes pontiagudos e pele vazada, como se tivesse perdido pedaços aleatoriamente, apareceu subitamente, em uma noite em que ela estava servindo como faxineira dos quartos de hóspede. A princípio, por ser sem graça, ela não foi notada, mas cometeu o erro de ser pega lendo novamente os manuscritos de seu mestre em um dos quartos. Nestor sabia reconhecer um talento para o crime, e em uma rápida conversa se encantou pela mente subversiva e também pela vontade estupenda da garota e a ela deu uma oferta que parecia ser irrecusável. Ela fugiria com ele e se tornaria sua cria, e em troca ele a daria a imortalidade para abusar como quisesse de seus dons. Ela aceitou.
Logo, Cristina Gomes, seu primeiro heterônimo, surgiu em poucas livrarias, com sua publicação fajuta, utilizando um dos manuscritos roubados. Seu mestre nunca a caçou, e ela não achou estranho. Descobrira a duras penas o porquê daqueles textos terem sido descartados: Eram realmente ruins, e o nome Cristina Gomes foi queimado com um livro fracassado. Passou então a um plano mais elaborado. Contou as mentiras de seu passado e inventou uma nova personagem, também sob o nome de Cristina Gomes, e esta sim teria vários heterônimos. Havia encontrado uma mina de histórias maravilhosas e como Nestor dissera, era boa em inventar causos em volta delas, transformando-as em seus Best Sellers. Por enquanto, sua tática funciona muito bem.

Fotografia original "Something_by_fantasmica" com edição minha de várias imagens de textura

sábado, 21 de março de 2015

Pole dance


Atividade física sempre foi algo em segundo plano, poucas vezes eu fiz algo que eu realmente gostava. A primeira vez foi a natação, que criança não fez... Depois o pa-kua na modalidade de armas de corte, ah que saudade desse! Atualmente fui pra dança, mais especificamente, para o pole dance.
Percebi esses dias que já fez um ano desde que eu comecei e é incrível como isso me ajudou, tanto fisicamente, com força, alongamento e elasticidade, como na auto-estima.
Indico para todos! Se tiverem condições façam uma aula experimental, é algo fascinante!
AC

Preparando...
...pirueta e desce!

sexta-feira, 20 de março de 2015

Saindo da gaiola...

Um dos meus desenhos recentes que estão entre os favoritos e que eu consegui lembrar de fotografar (quase) todos as etapas!
Eu "descobri" essa técnica com a ajuda de um dos professores de desenho lá da UDESC, a profª. Adri, a quem devo muito, de ensinamento artísticos a apoio pessoal.
Como já mostrei aqui no blog antes o material usado é maquiagem dessas simples de sombra para os olhos. As primeiras vezes eu estava só trabalhando com as manchas usando os dedos e cotonetes, já no desenho de hoje eu criei os traços apagando com a borracha.
Espero que apreciem o passo-a-passo.
AC









quarta-feira, 18 de março de 2015

Quando o céu chama.

Nuvens. A muito tempo sou fascinada por nuvens, estudo os tipos, tento prever o tempo pela quantidade e qualidade delas... Adoro as fotografar.


A poucos dias tive a oportunidade de olha-las lado-a-lado, quase uma conversa de pé de orelha. Pela primeira vez fiz uma viagem de avião, com direito a aeroporto, turbulência e espera de mala na esteira. Uma boa experiência.

Ponta norte da Ilha de Santa Catarina (Brasil)

Asa na ida
Asa na volta

Hoje fui ao aeroporto mais uma vez, agora para levar meu cunhado até a viagem que vai mudar a vida dele.

Vai Karu. Voa!

Nuvens são símbolo dos sonhadores, aqueles que vivem com a cabeça nas nuvens, estão sempre no ar... Agora eu tenho certeza de que é real.

Boa sorte a todos.
AC

segunda-feira, 16 de março de 2015

Só agora.

Qual a desculpa? Qual a promessa necessária para reativar um blog?
Acho que a verdade nesse caso e a nova motivação são suficientes.

Pra ser sincera não consigo mais colocar em ordem os causos que aconteceram desde agosto do ano passado... São sete meses onde muita história boa e ruim ocorreu ao mesmo tempo. Esse deve ter sido o problema: Recém-casada, cuidando da própria moradia, estudando, trabalhando e depois comprando o negócio próprio... Tudo ótimo, só que... Sempre tem o 'só que', a pressão e ansiedade acabaram iniciando a coisa ruim, a doença: Depressão. E olha que por conta de todos os anjos eu tive a sorte de estarem ao meu lado para apoiar ela parou no 'princípio de'.

É a primeira vez que falo sobre essa experiência assim tão publicamente. E ainda tem um lado de vergonha, uma voz que diz que tudo era baboseira, que eu que fui fraca e fresca... Eu não consigo ter a noção de quando os sintomas começaram, mas quando eu me vi (me fizeram notar) abandonando as coisas que gostava de fazer, desistindo de falar com pessoas que me eram queridas, quando mesmo com tempo livre não conseguia produzir nada útil ou fútil, a única vontade era dormir, quando eu surtei em sala de aula por conta de uma pintura que eu estava amando fazer e que o medo de falhar me fez entrar em pânico e não conseguir continuar (a tela continua incompleta até hoje) eu não consegui mais fugir, negar essa situação. Foram meses somente agora eu estou começando a colocar numa ordem cronológica, eu não tinha forças, essa é a verdade.

Confesso que ainda tenho várias dessas sensações e muitas vezes acabo percebendo que o círculo vicioso pode recomeçar. Tenho medo. E é por conta desse medo que vem a nova motivação, me obrigar a fazer as coisas que eu sempre gostei e ter novas experiências e um tempo só para mim. E então postar aqui. Quase terapêutico.

Considerando tudo isso muitos dos próximos posts vão ter uma linha temporal bizarra e distorcida, porque eu tenho muito a dividir e assim lutar pra me livrar dessa nuvenzinha negra que ameça voltar.

Feliz por retomar esse blog, nem que seja para falar com as paredes.
AC